Header Graphic
Catholic World Art
Artist, Ira Thomas
Header Graphic
 
Galeria VI   
 
                    
 
10" x 10" / 25cm x 25m
acrílico sobre tela
 
Totalmente Humano e Totalmente Divino
 
Nestas duas pinturas, um par de pegadas representa Aquele que trouxe a boa-nova à Humanidade. Jesus caminhou entre nós totalmente humano e totalmente divino. Sendo humano, as Suas sandálias deixaram uma marca na relva e sendo divino, Ele andou sobre as águas e poderia até ter deixado uma pegada nela, embora não fosse possível exceto para Deus.
 
Em Totalmente Humano, mostro uma borboleta que representa a Ressurreição, e em Totalmente Divino, pintei três peixes como um sinal da Trindade. Jesus é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem - não metade Deus e metade homem, mas 100% de cada um. Ele é o ser humano perfeito de quem todos nós fomos modelados. Ele era totalmente divino, mesmo em criança.
 
Este mistério das duas naturezas coexistindo na única pessoa de Jesus é conhecido na teologia como a Doutrina da União Hipostática. É importante porque não podemos ter um relacionamento correto com Jesus sem estarmos cônscios de Suas duas naturezas distintas e perfeitas.
 

 
 
Painel 1     Painel 2     Painel 3     Painel 4     Painel 5
Clique em cada painel para ver em detalhe.
 
3’4" x 24’2"/1.02m x 7.4m
Painéis:  40" x 58"/1.02m x 1.47m
óleo sobre tela de linho
 
A Última Ceia
 
Anterior                                                    Seguinte
 
Não sabemos como realmente decorreu a Última Ceia porque nenhum de nós lá esteve, mas todos os artistas irão interpretá-la de uma maneira pessoal. Gostaria de partilhar porquê escolhi pintá-la dessa forma.
 
Primeiro, decidi quem cada figura representaria, e recordei-me o que se sabe de cada um nas Escrituras e na Tradição enquanto os pintava. Da esquerda para a direita estão: São Bartolomeu, São Tomé, São Judas, São Mateus, São Filipe, São Pedro, Jesus, o Pão da Vida, São João e seu irmão, São Tiago, Judas, Santo André, São Simão e São Tiago.
 
Jesus, no centro, senta-se um pouco mais alto do que os outros porque Ele é o Senhor. Um halo de luz emana Dele. Não é luz caindo sobre Jesus, mas saindo Dele. Jesus está vestido de branco porque Ele é a Ressurreição e tem um manto escuro sobre os Seus ombros porque Ele leva sobre Si os pecados do mundo. As dobras do manto no Seu ombro, formam o que parece ser a cabeça de um cordeiro para nos lembrar que Jesus é o Cordeiro de Deus. Ele dá-setotalmente a nós como o cordeiro que foi totalmente consumido durante a ceia da Páscoa. Diante Dele está um prato com as habituais ervas amargas que são indicativas da paixão amarga que O espera. A refeição teria acabado e a carcaça do cordeiro, ainda inteira, teria sido retirada da mesa. Nenhum dos ossos do cordeiro cozido teria sido cortado enquanto ele foi comido, uma prefiguração de que nenhum dos ossos de Jesus seria quebrado, então não há restos do cordeiro deixados na mesa.
 
Os olhos de Jesus estão focados em Judas do outro lado da mesa. Judas tinha que estar por perto se Jesus e ele mergulhassem um pedaço na mesma tigela. Jesus estende o Seu amor a Judas como faz a todos nós pecadores. Dando-se inteiramente, Jesus está a oferecer uma súplica de amor, mesmo neste último momento, antes de Judas agir e O trair.
 
Mas Judas é indiferente e ignora Jesus, como fazemos quando pecamos. Ele está prestes a encher uma caneca com a jarra na mão. Coloquei quatro canecasna pintura, uma em cada um dos primeiros quatro painéis. Elas representam as quatro canecas que se acredita serem usadas na refeição da Páscoa; a primeira, o cálice da santificação, a segunda, o cálice do julgamento, a terceira, o cálice da redenção e a quarta, o cálice do louvor. É o terceiro cálice que Jesus usa para instituir a Eucaristia, após a qual Ele disse que não beberia do cálice novamente até que o fizesse no céu. Durante a Última Ceia, Jesus não ofereceu o quarto cálice. 
 
Judas está a derramar a sua quarta taça de louvor e glória para mostrar o que pretendia, em sua audácia, forçar Jesus a estabelecero Seu reino. Ele estava ansioso para colher os benefícios de ser um dos amigos escolhidos de Jesus. Ele não podia aceitar que Jesus realizaria o Reino por meio do sofrimento e da morte e queria forçá-lo a agir contra os romanos. Ele está vestido com o amarelo da hipocrisia. O seu pé é o único que aparece na pintura para lembrar o Salmo 41:9 “Até o meu amigo do peito em quem eu confiava, que comia do meu pão, levantou o calcanhar contra mim”.
 
O que Jesus deve ter sentido neste momento! Eu queria pintar a expressão de Jesus para mostrar que Ele é o Bem e a Verdade. Esforcei-me para fazê-lo parecer amigável, mas firme; acessível, mas majestoso. Espero que o rosto de Jesus transmita esse sentimento. Passei um dia a orar e a jejuar antes de pintar o rosto de Jesus, como faço antes de começar qualquer pintura religiosa. Este não é um trabalho para ser considerado levianamente e eu devo me esvaziar primeiro para permitir que Deus trabalhe através de mim.
 
Do ponto de vista artístico, escolhi as figuras do lado direito da pintura para criar um movimento circular enquanto as da esquerda permaneceram estáticas, a fim de deslocar a simetria da composição para a direita. Santo André aponta para Jesus, como faz nas Escrituras, para levar o olhar de volta ao centro e àquele ponto de descanso na pintura; o centro de interesse está no braço estendido de Jesus em direção a João e a mão de João prestes a mover-se em resposta.
 
Tal como João, que estejamos sempre prontos para responder ao convite de Jesus para a Eucaristia.
 
  Cafeteria at Cathedral Carmel School  
 
Exposição permanente no refeitório da escola Cathedral-Carmel
 
 

Direitos reservados 2002-2021 - Ira Thomas
Traduzido por Helena Domingues